Siga-me

sábado, 30 de novembro de 2013

POR AMOR - Um poema de Julia Lemos




POR AMOR

Um poema de Julia Lemos


Foi tanto o vexame, 
lado a lado com dois vagabundos
expulsos fora de portas.
Mais que tudo:
sendo o pior de todos eles.
Chistes, esgares,- porque te
apanharam?

Desfeito de formas
diante de estranhos homens
de fala obscura.
Um deles me lançou uma praga alucinado
de rir uma risada sem dentes,
até que se exumou de vez.

Lágrimas em óleo quente.
Mais que as lanças rasgando-me juntas
e descolando carne da carne,
era a vergonha absoluta.

Entardecia, virava-me
o sol as costas. Monções de poeira
sopravam para longe
toda-paixão pelos homens.
Meu ouvido dizia: adormece !Yeshua!
Até que as cordas do coração
me soltaram e a descer, a descer,

vertiginoso preparo
para a permanência na
região do silêncio sem respostas

A noite desceu compacta e
Jerusalém mergulhava escura
no sangue de um homem sem culpas


Apesar de tudo destes últimos dias, mantenho-me viva com a esperança neste que foi designado o meu mestre para todo o sempre, Jesus!