Siga-me

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Dois Poemas de J. T. Parreiras


Dois Poemas de J. T. Parreiras


TE DEUM

“Not because of victories
 
I sing”
Charles Reznikoff
 

Não canto por causa de victórias,
 
tenho tido poucas,
 
mas pelo brilho do sol que nasce
 
para todos os olhos, que pode cegar 
 
de beleza todos por igual,
 
louvo por causa do que a brisa dá,
 
movimentos graciosos
 
às flores, na primavera frágil.
 
O meu hino não é pelas minhas vitórias
 
mas pelo meu dia de trabalho feito
 
ó Deus, até entre as ruínas.



SALMO 121 TALVEZ MODERNO

Antes de partir, vão os meus olhos
tomar a medida dos montes,
tomar a sua dureza nos pés,
a incerteza do degelo e o peso
do sol, antes de partir elevo
o meu corpo do chão através dos olhos,
de onde me virá o socorro?
Tomo um pouco de vinho, preparo
o pão amassado nas dores da farinha
e da água e o azedume dos dias.
É ténue a linha, a terra firme
onde se resvala para o abismo.