Siga-me

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Ter algo pelo que lutar - de Marcelo Gesta


Ter algo pelo que lutar
(Nova Friburgo/12/04/95)
                                          
Ter algo pelo que lutar
Ou qualquer coisa estar fazendo
Ainda que esteja apenas no planejar
É melhor que estar parado esmorecendo


Ter algo pelo que lutar
E algo mais estar querendo
Temos sempre que avançar
Senão estaremos retrocedendo

Eu almejo a vanguarda
O comum não me contenta
Não ficarei na retaguarda
Só vence aquele que enfrenta.


Muito fácil eu me canso
De toda a chata mesmice
Vou me livrar de todo este ranço
Pra não cair na meninice
Para que o meu passado
Não me deixe para traz
Quero no presente estar disciplinado
Para no futuro eu ser capaz.


A mudança ou a melhora
Não devem ser uma utopia
Investirei no desenvolvimento agora
E farei dele uma franquia.
Eu pretendo inovar
Quero usar o antigo útil
A mentalidade arcaica mudar
Mas livrar-me, também, do novo fútil

Quero aprender algo especial
O mínimo que for é essencial
Pois o saber será fundamental
Para que eu seja um bom referencial.


O meio será a versatilidade
E o combustível o idealismo
No fim, haverá originalidade
Pois terei muito altruísmo

O Universo parece pequeno
E o mundo, um pouco menor
Onde encontrarei tanto terreno?
Minha vontade parece maior.


Ter algo pelo que lutar
Ou mesmo só para sonhar
É muito bom eu imaginar
Que um dia o vou alcançar


O desafio eu amarei
O inesperado eu vencerei
 Com O meu Deus conseguirei
Pois Jesus Cristo é o meu Rei.




De Marcelo GEsta